no , ,

Contaminação por COVID-19 pode ser considerada acidente de trabalho?

Advogado esclarece direitos e deveres de empresas e empregados

São Paulo, fevereiro de 2022 – Os casos de Covid-19 ainda são alarmantes e crescentes, mesmo diante do avanço da vacinação, que acarretou uma melhora expressiva em seu enfrentamento. A variante Ômicron, no entanto, chegou ao Brasil tornando os casos de infecção ainda mais rápidos. Devido a essa nova realidade, muitas empresas e empregados têm dúvidas sobre quais são as obrigatoriedades legais das organizações frente à discussão da Covid-19 como acidente de trabalho e qual o atual posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o assunto.

Emissão de atestado médico ao se infectar por Covid-19

Em primeiro lugar, o teste de Covid-19 serve para diagnosticar se o funcionário está ou não infectado. Já o atestado é o documento que certifica e garante que o profissional permaneça ausente de suas funções por determinado período, declarado pelo médico. 

De acordo com o Dr. João Nogueira, um dos sócios do escritório Nogueira e Tognin, explica que, atualmente, o Ministério da Saúde recomenda o isolamento entre cinco a 10 dias aos infectados pela doença, dias esses que podem ser prorrogados caso a pessoa ainda apresente sintomas. 

No caso do colaborador que exerce seu trabalho em home-office e que está infectado pela Covid-19, também é preciso solicitar uma avaliação médica, e, se for declarada a incapacidade de execução do trabalho devido aos sintomas, o cumprimento do afastamento deve ser respeitado pela empresa. 

Contaminação por Covid-19 pode ser considerada acidente de trabalho? 

Há muitos questionamentos se a infecção por Covid-19 pode se enquadrar como acidente de trabalho e, até o momento, devem existir comprovações de que a doença foi contraída durante o exercício de trabalho. Outro fator importante a ser levado em consideração é que deve ser analisado caso a caso para averiguar se a empresa exerceu as diretrizes e obrigações sanitárias de prevenção da disseminação e contaminação do vírus, impostas pelo Ministério da Saúde, além da análise sobre as condições de trabalho oferecidas ao colaborador.

O que o STF determinou e o posicionamento do especialista sobre a emissão de CAT

O STF não determinou, de fato, que a Covid-19 é uma doença laboral, pois invalidou as diretrizes impostas no artigo 29 da MP 927/2020, portanto, cabe a necessidade de verificação das peculiaridades de cada caso, por meio da empresa e da equipe de médicos envolvidos, ao funcionário que testou positivo para a doença, garantindo que os desafios dessa nova realidade sejam trabalhados com responsabilidade e resiliência. 

As discussões também giram em torno da necessidade de abertura de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) a quem contraiu a doença, pois, sem a Comunicação o trabalhador não terá acesso aos seus direitos. 

De acordo com o Dr. João Nogueira, “não existe determinação do STF para emitir CAT e nem reconhecimento direto do coronavírus como acidente de trabalho. O empregador só irá emitir CAT quando tem a certeza de que o profissional adquiriu a doença no ambiente de trabalho”. 

O advogado reforça que cada situação deve ser verificada para que decisões sejam tomadas de acordo com os fatos, visando sempre a segurança e o bom relacionamento entre empresas e empregados.

Escrito por Redação

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregamento

0

Comentarios

0 comentarios

Como proteger a ideia da minha startup?

O que pode acontecer com brasileiros na Ucrânia? Advogado explica!